Estratégias de conteúdo para professores no Facebook

Seus materiais devem ser adequados a cada um dos canais que serão trabalhados. Descubra como criar conteúdo para o Facebook.

Com 16 anos e mais de 1 bilhão de usuários, o Facebook se consagrou como a maior rede social do planeta. Não há como negar: hoje, qualquer negócio que queira se divulgar – por menor que seja – não pode desconsiderar a ferramenta como opção.

Nos primórdios, havia até certa aversão ao que seria o Facebook, principalmente com relação ao seu conteúdo e público: jovens que postavam todo e qualquer acontecimento mundano de suas vidas, seguido de conteúdo exclusivo do entretenimento.

Sim, ainda hoje, não é difícil ver isso em sua timeline. Mas você deve admitir que o que predomina são conteúdos que podem agregar algum valor ao seu tempo na rede. A época de posts que pediam ou tinham o intuito de ganhar mais curtidas já foi sepultada há muito tempo.

As empresas sabem disso e é por isso que investem em conteúdos patrocinados e que valem a pena. Isso mesmo, investem, como qualquer outro tipo de mídia.

Para se ter uma ideia, no primeiro trimestre de 2019, 98,9% de toda a receita do Facebook veio de anúncios. O que significa que as empresas querem estar na plataforma e fazer com que seus conteúdos sejam vistos.

Isso as fortalece, melhora seus relacionamentos com os clientes, impacta positivamente nas vendas e aumenta suas presenças de mercado.

Mas, para não rasgar dinheiro fora, é preciso saber que tipo de conteúdo se adequa melhor para cada rede.

O que você publicará no Facebook pode ser muito diferente do irá para o Instagram, LinkedIn, Youtube e qualquer outra rede que utilize.

Então, sem mais delongas, confira algumas dicas de estratégias de conteúdo para o Facebook:

1 – Sempre siga o seu público-alvo e persona

Anteriormente, falamos sobre o que são e qual a importância de se definir um público-alvo e persona. Através deles, você terá um norte para onde seu conteúdo deve seguir.

Isso quer dizer que, no marketing de conteúdo, devemos sempre trabalhar assuntos que possam ser úteis para as pessoas, sanando suas dúvidas e as ajudando a chegarem ao final de sua jornada – seja ela a busca por um produto, serviço ou simplesmente a informação por informação.

Portanto, na hora de criar os temas e pautas das suas postagens no Facebook – e basicamente em qualquer outra rede social –, lembre-se de consultar o seu público-alvo e a sua persona para que o conteúdo tenha relevância e não seja apenas mais uma publicação perdida na timeline dos usuários.

2 – Foque em imagens

O Facebook é uma rede quase tão visual quanto o Instagram e o Youtube. O que realmente faz as pessoas passarem horas e horas rolando suas timelines são infográficos e fotos que demonstram aquilo que você está abordando, como palestras, capturas de tela, resultados e outros.

O ideal é que nessas imagens você sempre tenha um padrão de identidade visual, como um template.

Se você está começando agora, não precisa dedicar horas no Photoshop ou softwares de edição de vídeo. Você pode utilizar modelos pré-definidos e gratuitos online.

Mas lembre-se de contar com eles por tempo limitado, pois não são exclusivos e podem ser utilizados por outras pessoas – até da mesma área que você.

E você sabe que, quando se trata de redes sociais, é muito importante construir credibilidade. Logo, a exclusividade da sua identidade visual ajuda a mostrar que o seu negócio é realmente profissional.

3 – Cuidado com os textos

O Facebook é uma rede na qual seu algoritmo sempre visa beneficiar as publicações que menos contém texto. Eles realmente querem que imagens sejam o carro-chefe das postagens das pessoas.

Isso significa que, quanto mais texto a sua imagem tiver, mais ela será penalizada pelo algoritmo do Facebook. Dependendo da quantidade de palavras, é provável que você nem sequer consiga patrocinar o seu conteúdo na plataforma.

Mas não é preciso se preocupar e nem ter medo de utilizar textos nas suas publicações. Frases curtas como introduções ou chamadas são sempre bem-vindas, pois não ultrapassam o limite estabelecido pela rede e ainda conseguem conversar bem com o usuário.

O cenário mais ideal aqui é utilizar uma imagem real, com a sua própria identidade visual e uma chamada que leva para um conteúdo completo na legenda ou em um link disponível na mesma.

Isso mesmo, as legendas são muito úteis para aqueles que querem se aprofundar no conteúdo que o seu post está abordando. Os usuários que realmente se interessarem pela chamada na imagem, irão parar por um momento e consumir o conteúdo na íntegra que se encontra na legenda.

O próprio Facebook disponibiliza uma ferramenta para você verificar se a quantidade de texto na imagem da sua publicação está ok ou se precisa ser reduzida. Utilize-a com frequência para evitar problemas.

4 – Atente-se aos formatos

As redes possuem muitas diferenças entre si, que vão muito além do próprio conteúdo que abordam. Uma delas é o formato das postagens. Facebook, Instagram e LinkedIn trabalham com tamanhos de posts diferentes, e você não poderá utilizar a mesma arte sem adaptação em todas elas.

Caso tente fazer isso, o resultado será catastrófico e você certamente ficará com imagens cortadas, sem sentido, com baixa qualidade, etc.

Antes de postar no Facebook, tenha certeza de que sua arte está nos padrões recomendados.

Para deixar suas publicações ainda mais afiadas, você pode conferir nossas outras matérias aqui no blog. E não esqueça de acompanhar as novidades no Facebook e Instagram.

sapiumblog

Deixe uma resposta