Isca digital: o que é, para que serve e como fazer

Iscas digitais fazem parte de uma boa estratégia de marketing. Saiba o que são e aprenda a utilizá-las para aumentar a conversão do seu curso online

Os professores digitais que têm a Sapium como uma das fontes de conhecimento para aprimorar suas habilidades de marketing digital e tudo aquilo que envolve a sua presença no e-learning sabem que existem diversos tipos de estratégias e conceitos para serem aplicados em seus resultados.

O interessante disso é que, dificilmente, você encontrará uma que é melhor do que a outra. No mundo digital, as coisas têm mais a ver com o momento ideal de se utilizar um trunfo.

Há algumas semanas, falamos sobre os gatilhos mentais, uma técnica comum e a qual somos expostos diariamente em muitos canais – e que recomendamos fortemente a leitura.

Resumidamente, os gatilhos mentais são técnicas que nos induzem a tomar uma ação, seja por meio de textos ou imagens.

Eles podem nos fazer clicar em uma página ou anúncio e, geralmente, utilizam elementos como curiosidades e testemunhais para intrigar o leitor e dar credibilidade ao conteúdo.

Agora, quando falamos de iscas digitais, o processo se assemelha mais a uma troca.

Sim, os dois lados saem ganhando, de forma direta e indireta. Se quiser entender melhor essa história, continue lendo abaixo.

O que é uma isca digital?

A estratégia, na verdade, possui muitos nomes e talvez você já tenha ouvido falar dela por “material rico” ou “recompensa digital”. No fim, tudo acaba sendo a mesma coisa.

A isca digital, basicamente, consiste em entregar um conteúdo que seja de alguma forma útil e de interesse ao usuário, em troca de algumas informações para futuras ações de marketing.

É o que chamamos de captação de leads.

Utilizando a estratégia de isca digital, você produzirá conteúdos, sejam eles vídeos, e-books, e-mails marketing, infográficos, planilhas ou qualquer outro tipo de produto digital para que você crie um canal de contato com potenciais clientes e possa convertê-los, no futuro, em outras ações.

O exemplo abaixo representa isso muito bem:

Ainda que, devido ao seu nome a estratégia possa parecer um tanto quanto maliciosa para o usuário, ela é, na verdade, muito amigável e depende exclusivamente do interesse do próprio consumidor.

Já que ele só entregará seus dados caso queira adquirir o conteúdo que você está oferecendo. É uma troca livre em que os dois saem ganhando.

Quando utilizar a isca digital?

Uma estratégia de marketing digital é vitalícia, com microciclos que se encerram dentro de uma estratégia maior.

Basicamente, queremos dizer que suas ações digitais dificilmente terão uma data de validade.

A isca digital poderá ser utilizada de forma constante, baseada em qual estágio e objetivo você se encontra.

Lembre-se que boas estratégias contam com ações direcionadas para topo, meio e fundo de funil.

Geralmente, a captura de leads – que é objetivo da isca digital – se encontra no meio de funil, quando você já produziu material para o início da jornada de compra do seu usuário e, agora, conforme ele se aprofunda no assunto de interesse, você oferece ainda mais meios para que ele encontre tudo o que precisa com o seu conteúdo.

Portanto, antes de utilizar a isca digital, é importante que você tenha conteúdos que possam ser consumidos sem nenhuma moeda de troca, o que fará com que você crie relevância e autoridade no assunto para, posteriormente, criar materiais mais aprofundados e específicos que também usem a isca digital.

Onde aplicar a isca digital?

Como falamos acima, a isca digital aparece em praticamente qualquer conteúdo gratuito que necessite de algumas informações do usuário para que possa ser consumido.

Os dados solicitados vão depender do seu objetivo, mas, geralmente, eles variam em:

  • Nome;
  • E-mail;
  • Sexo;
  • Data de nascimento;
  • Cidade/Estado;
  • Telefone (deve ser usado com cuidado pois pode ser muito invasivo);
  • Ocupação profissional;
  • Nível de educação.

Com essas informações em mãos você poderá manter contato com o interessado e criar conteúdo exclusivo e personalizado para ele (e um público semelhante), sempre buscando uma forma de convertê-lo e chegar ao fundo do funil.

Portanto, as iscas devem ser aplicadas sempre que quiser levar o usuário ao último estágio de funil.

É claro que você poderá (e deverá) nutri-lo com conteúdo personalizado antes de partir para ações focadas em conversão.

Mas lembre-se que se ele chegou até esse estágio e se tornou um consumidor com potencial de compra muito maior do que os anteriores, então, para que você possa ter uma boa taxa de conversão em suas estratégias, é preciso movê-lo entre as fases do funil corretamente.

Não desperdice suas iscas digitais em topos de funil ou sem ainda ter definido como será o seu fundo.

Afinal, seus materiais também têm valor, e devem estar inseridos em uma estratégia que gere retorno mais para frente.

Para mais dicas e conteúdos que podem ajudar na sua carreira de professor digital, siga nosso Instagram, onde fazemos lives todas as terças, às 19h, e nosso Facebook.

sapiumblog

Deixe uma resposta