Como estruturar seu curso online de forma simples e com qualidade

Existem alguns mitos a respeito do e-learning, principalmente quando falamos de qualidade e reconhecimento de mercado

Nos últimos anos, o e-learning presenciou uma grande expansão de seu segmento, com milhares de profissionais buscando mais qualificação e vendo uma oportunidade de encaixar novamente os estudos nas suas rotinas tão escassas de tempo livre.

O mercado como um todo recebeu bem essa iniciativa, tanto é que as projeções de crescimento para o e-learning são bem otimistas, e devemos continuar vendo um aumento agressivo durante os próximos anos.

No entanto, mesmo com o ensino digital provando seu valor e ganhando cada vez mais a atenção de jovens profissionais e professores que querem migrar para esse universo, o setor ainda enfrenta alguns desafios que foram surgindo durante a sua expansão.

Mitos infundados como o de que o mercado não vê com bons olhos o e-learning e que apenas cursos de instituições renomadas com muita carga horária têm qualidade e podem agregar à vida profissional dos estudantes são os mais vistos e escutados por pessoas da área.

É verdade que os cursos online devem atender à demanda do mercado, capacitando profissionais em áreas carentes e evitando nichos muito específicos e de baixa procura.

Mas para quem está iniciando sua jornada nesse universo, os comentários podem parecer um pouco assustadores.

“Se apenas grandes instituições de ensino proveem cursos digitais de qualidade, como eu, de forma autônoma, irei estruturar meu conteúdo e competir nesse mercado?”

Calma, não é preciso ter medo. Nós iremos mostrar para você que a grande maioria desses boatos são infundados e que é perfeitamente possível você elaborar um curso online de forma simples e com qualidade, mesmo estando sozinho nessa jornada. Então, continue a leitura abaixo e fique com a gente.

Planejamento é a chave de tudo

Veja bem, cursos online de renome com grande duração tendem a ser intimidadores, mas, também, atrativos de certa forma. São vistos como um desafio a ser cumprido que, quando realizado, abrirá dezenas de portas para uma vida profissional de sucesso. Mas no mundo real as coisas não funcionam dessa forma.

É claro que esses cursos são acompanhados de muita qualidade, mas isso não significa que eles são a única ou a melhor forma de conseguir uma boa qualificação para o seu objetivo.

Devemos lembrar que uma das principais características do e-learning é a sua flexibilidade. Nesse modo de ensino, os alunos podem aprender no próprio ritmo, quando e onde quiserem, enquanto dão conta de toda rotina.

Agora, quando falamos de cursos longos, que demandam muita atenção e comprometimento integral do aluno, a característica da flexibilidade é fortemente ofuscada e, então, entramos no problema da evasão.

Muitas pessoas podem até mesmo ver o curso com bons olhos, e desejariam completá-lo para dar um up em suas carreiras. Mas devido à falta de flexibilidade, extensão e o empenho exigidos acabam deixando esse tipo de conteúdo de lado e partem em busca de opções que se adequem às suas realidades.

É por isso que o planejamento é essencial.

Não importa o quão extenso ou complexo seja o seu conteúdo, é preciso planejar a estrutura do seu curso online para que os alunos possam digeri-lo de uma forma gradual e eficiente.

Ter atenção ao número de módulos e vídeos dentro de cada um deles é o primeiro passo que você deve dar.

Assuntos complexos demandam mais tempo para serem explicados, é claro. Mas você deve se atentar a como esse conteúdo será entregue aos seus alunos.

Na maioria das vezes, um módulo com diversos vídeos curtos é muito melhor do que apenas alguns vídeos extensos.

Nesse quesito, também temos que falar um pouco sobre didática.

Você até pode fazer a escolha de nutrir seus alunos com vídeos curtos, mas isso não valerá a pena se até o mais leigo deles não puder absorver o conhecimento.

O que, nesse caso, pode fazer o aluno ter que reassistir suas aulas muitas vezes, continuar o curso sem o entendimento completo e até mesmo deixar de ser seu aluno no meio do caminho.

Ou seja, nunca troque a didática em prol da velocidade e facilidade com que seu curso poderá ser concluído.

Na fase de planejamento, faça um escopo de como você abordará o seu conteúdo, onde será possível otimizar o tempo sem perder qualidade e onde valerá a pena produzir um material um pouco mais longo.

Um curso de qualidade significa trazer resultados

Os grandes cursos que falamos acima tendem a ser vistos como conteúdo de qualidade, mas eles dificilmente irão dar atenção personalizada para cada um de seus alunos – algo que você se certificará de fazer.

Um curso de qualidade significa, então, que tem conteúdo útil e com poder de fazer a diferença na vida das pessoas. Mas você precisa ter certeza de que elas estão absorvendo corretamente todo o conhecimento passado.

Os alunos devem se empenhar e estudar por conta própria, mas é preciso ficar atento às redes sociais e grupos da plataforma para verificar suas dúvidas, sugestões e comentários.

Ou seja, é preciso interagir com os estudantes e verificar se estão tendo os resultados esperados.

Nessa hora, as redes sociais também são um forte aliado. Criar enquetes, responder comentários, fazer transmissões ao vivo e postar stories são alguns dos meios de receber o feedback dos seus alunos e ver como estão se saindo e o que você pode melhorar, seja em questões técnicas como equipamentos de imagem e áudio, o modo como as aulas estão distribuídas entre os módulos ao longo do curso e até mesmo a sua didática. Tome todo o feedback como um aprendizado e aplique essas considerações em seus próximos trabalhos – isso é fazer um curso de forma “simples” e, com certeza, com qualidade.

Além das dicas acima, existem alguns outros questionamentos que você deve considerar na hora de estruturar o seu curso, como seu nicho e sua persona. Se quiser saber mais sobre esse assunto participe do Sapium School 1.0, o nosso curso gratuito para novos professores digitais.

sapiumblog

Deixe uma resposta