E-mail marketing: como essa estratégia pode te ajudar a vender mais

Ao contrário do que muitos pensam, o e-mail marketing ainda é uma poderosa e efetiva ferramenta para você trabalhar suas vendas

Uma vez que você iniciar sua carreira de professor online, é preciso continuar estudando e se aprofundando em ferramentas do marketing digital.

Quando você disponibiliza seu curso na internet para que as pessoas possam comprá-lo, é preciso se lembrar de que ele passa a ser um produto, assim como qualquer outro. E para vendê-lo é preciso divulgá-lo.

Podemos dizer que um bom professor digital também é um bom empreendedor, já que na maioria das vezes ele é o único responsável pelo sucesso de seu produto.

A tarefa não é simples e é preciso muito trabalho e dedicação para chegar nos resultados desejados.

Como todo bom empresário, você deve testar e conhecer novas ferramentas e planos que possam agregar ao sucesso do seu produto.

Isso significa ter a mente aberta para experimentar até mesmo a mais subestimada das estratégias.

Em se tratando de marketing digital, podemos dizer que ela seria o e-mail marketing.

Ao ouvir esse nome, já nos vem à cabeça todos aqueles spams com assuntos prometendo muitas vendas ou superdescontos para você.

A verdade é que ninguém gosta ou presta atenção nesse tipo de e-mail, o que faz parecer que a estratégia de e-mail marketing seja uma completa furada. Mas isso é apenas a ponta do iceberg.

Estratégias de e-mail marketing são muito mais complexas e devem entregar ao usuário algo que ele realmente queira.

No fim das contas, esses tipos de e-mails irritantes nem mesmo fazem parte de uma campanha de verdade.

Agora, se você quer aprender como realmente fazer e-mails marketing funcionarem, confira algumas dicas abaixo e entenda melhor como tudo isso opera.

Seguindo as boas práticas de e-mail marketing

Assim como existem as boas práticas de conteúdo para web, ao trabalhar com e-mail marketing seguimos um padrão muito parecido.

Isso significa que devemos obedecer a algumas diretrizes para que o seu conteúdo não se torne mais um spam ou mensagem indesejada pelos usuários.

A maioria dos e-mails que você recebe e considera como irritantes ou inconvenientes, geralmente não estão seguindo as boas práticas de e-mail marketing.

Mas o que essas regras seriam, de fato?

Quando falamos de boas práticas de e-mail marketing – ou até mesmo de marketing de conteúdo – vamos mais para o lado do bom senso do que para uma lista de regras explícitas.

Isso significa que precisamos lembrar que o conteúdo que trabalhamos tanto para criar deve realmente ser interessante para o usuário.

O que implica em criar um mailing list (lista de contatos) segmentado, que receberá diferentes tipos de conteúdo em diferentes momentos.

Agora, antes mesmo de pensar no conteúdo a ser enviado para os seus contatos, devemos pensar em como consegui-los.

Essas pessoas precisam querer receber seu conteúdo por livre e espontânea vontade. Dito isso, você já deve saber que comprar mailing lists com milhares de e-mails é uma das piores práticas de e-mail marketing possível.

A maioria desses contatos está longe de ser o seu público, não sabem quem você é e não querem receber seus e-mails. Portanto, fique longe desse tipo de abordagem.

Se você já leu nossa última matéria aqui no blog, sabe que as landing pages podem fazer muito bem o papel de capturar esses leads para o seu mailing list.

Além de ter certeza que o usuário está dando suas informações, como idade, sexo, profissão e e-mail, em troca de um conteúdo que ele realmente queira, você poderá incluir checkboxes autorizando o envio de e-mails e conteúdos futuros.

Pode parecer algo simples, mas faz toda a diferença na hora de construir o seu mailing list. Dessa forma, você tem certeza que está enviando conteúdo para pessoas que querem receber suas mensagens, o que aumenta sua autoridade, relacionamento com potenciais clientes e inclusive sua taxa de conversão.

De uma maneira geral, podemos resumir as boas práticas de e-mail marketing em alguns pontos:

  1. Construção do seu mailing list

Uma lista de contatos volumosa e de qualidade (com usuários que abrem seus e-mails, clicam nos links e até mesmo compram seus produtos) leva tempo para ser construída. É preciso criar anúncios, landing pages e conteúdos que sirvam como moeda de troca pelas informações do usuário. Além disso, é preciso informá-lo que você fará envios futuros, bem como deixar uma opção visível caso ele queira cancelar a inscrição na sua lista.

Você encontrará facilmente muitos mailing lists à venda, por um preço bem barato e com milhares de contatos. Mas, mais uma vez, essa opção não deve nem mesmo ser considerada. Além de ter uma lista de péssima qualidade, você estará sendo antiético e indo na contramão das boas práticas de e-mail marketing.

  • Segmentação de público

Construir seu mailing de forma honesta e qualificada não é o fim das boas práticas. Uma vez que você começar a fazer envios, é preciso diferenciar o seu público de acordo com o seu conteúdo. Você não vai querer um usuário que se inscreveu em sua landing para baixar alguns vídeos introdutórios de suas aulas recebendo e-mails sobre um novo módulo de conteúdo avançado, certo? Isso certamente o deixaria perdido, desinteressado e com a sensação de que está sendo apenas mais um no meio de milhares de e-mails.

É preciso segmentar seu público de diferentes maneiras, como de acordo com o nível do aluno ou o estágio do funil em que ele se encontra, por exemplo.

  • Calendário editorial

A criação de um calendário editorial é fundamental para você ter o controle de quando e quais conteúdos chegam para quais usuários. Com ele, é possível planejar as pautas, controlar as datas de envio e automação das campanhas, trabalhar novos formatos e acompanhar de forma precisa quais conteúdos estão trazendo mais resultados. Além disso, seus usuários sentirão que estão recebendo conteúdos em uma ordem com muito mais sentido do que quando comparado a pautas avulsas.

  •  Estrutura de e-mail

As boas práticas de e-mail marketing também se aplicam ao modo que você monta o seu e-mail. Tudo começa já no assunto, onde você deve evitar termos como “promoção”, “liquidação”, “desconto”, “oferta” e similares. Os principais provedores de e-mail identificam essas palavras e automaticamente filtram as mensagens para a caixa de spam do usuário.

Além do mais, assuntos desse tipo são muito genéricos e pouco pessoais. O ideal é tentar uma abordagem mais amigável e próxima de quem receberá, utilizando seu nome e até mesmo uma isca digital ou técnica de copywriting.

Também é interessante evitar o excesso de imagens e arquivos muito pesados. Diversos provedores não exibem as imagens automaticamente e você nunca sabe a velocidade de conexão do seu usuário. Portanto, deixe seu e-mail leve.

Procure manter um padrão de identidade visual e de linguagem, já que isso melhora a credibilidade e profissionalismo dos seus e-mails, e também faz com que seus alunos saibam logo de cara que é um conteúdo seu.

Não se esqueça de deixar opções de contato ou do link para o usuário se retirar de seu mailing ao rodapé de cada e-mail.

Ao seguir esses passos, você já estará produzindo e-mails muito mais valiosos do que os spams que os usuários estão acostumados a receber e estará pronto para começar a monetizar esse canal.

Mas como os e-mails marketing me ajudam a vender mais?

Você já entendeu o conceito de diferenciar uma campanha de e-mail marketing de verdade de meros spams. Mas ainda há a dúvida: eles realmente fazem você vender mais?

No ano passado, a Dinamize, empresa especializada em automação de marketing digital, mostrou que o ROI do e-mail marketing é o maior do mercado.

ROI é a sigla em inglês para Return Over Investment, que significa Retorno Sobre Investimento. O ROI é muito utilizado em estratégias de marketing digital para medir a efetividade das campanhas.

Ainda segundo a pesquisa, “74% dos entrevistados consideram o e-mail marketing como o principal canal em termos de ROI, superando canais como SEO”.

Isso significa que, assim como as outras mídias digitais pagas, você também precisará investir em suas campanhas de e-mail marketing para ter retorno. Porém, ele tende a ser muito maior na proporção de valor investido.

Além disso, devemos lembrar que o e-mail marketing é um canal de comunicação praticamente universal. Até o final do ano, é esperado que existam 3 bilhões de usuários de e-mails ativos.

Um canal muito maior pode ser traduzido em um número muito maior de potenciais clientes – você precisa estar nele.

Como se não bastasse, a taxa de conversão de e-mail marketing se mostrou 40 vezes superior ao Facebook e ao Twitter. Isso não significa que você deve abandonar os investimentos em outras redes, mas que é necessário dar uma atenção especial para o e-mail marketing, principalmente se você está começando.

Todos esses números e fatos podem parecer chocantes se você nunca realizou uma campanha de e-mail marketing, mas isso também mostra que você não deve esperar mais para começar a trabalhar esse canal.

Aqui na Sapium, nós temos o nosso próprio Canhão de E-mails, através do qual você pode organizar seus leads e campanhas em um só lugar e de forma gratuita!

Se você quiser saber mais dicas de como aumentar suas vendas, continue nos acompanhando aqui no blog, em nosso Facebook e Instagram.

sapiumblog

Deixe uma resposta