Estratégias de conteúdo para professores no YouTube

Uma das principais fontes de entretenimento dos brasileiros pode ser um importante canal para você trabalhar o seu conteúdo

Muito vem se falando a respeito do YouTube nos últimos tempos, já que a plataforma se tornou uma das queridinhas entre o público brasileiro e até mesmo fez com que grandes emissoras da televisão tradicional repensassem seus conteúdos e a sua forma de entrega para o usuário.

E quando falamos em “queridinho no Brasil”, isso não significa que ele seja mais fraco lá fora. Na verdade, é tão forte quanto.

Segundo a própria dona da rede, a Google, o YouTube é o segundo site mais visitado no País e no mundo, perdendo apenas para o próprio buscador da empresa.

Afinal de contas, a plataforma está disponível em mais de 80 idiomas diferentes e conta com cerca de 2 bilhões de usuários ativos mensalmente. Os números são tão grandes que fica difícil não considerar sua presença nela.

Agora, como professor digital, você também já deve saber que o seu público tem algumas características próprias, como o hábito de consumir conteúdo online quando e onde puder, e a possibilidade de consumi-lo em seu próprio ritmo.

Sendo assim, é muito comum que essas pessoas também estejam no YouTube, já que a plataforma trabalha com esse modelo de conteúdo de forma bem incisiva.

Os números nos mostram isso: segundo o YouTube Imprensa, mais de 70% dos acessos ao YouTube vem através de dispositivos móveis! O que significa que estar em um canal que naturalmente já se encaixa aos moldes da sua audiência pode te salvar um bom tempo antes de chegar até ela.

Muito bem, sabemos que a rede é grande, possui muita relevância e pode ser fundamental dentro da sua estratégia de marketing digital. Mas, então, por onde começar e como criar conteúdo para o YouTube?

Criando um canal

O YouTube é um serviço de streaming de vídeo com conteúdo produzido exclusivamente por sua comunidade.

Em uma analogia simples, nós podemos vê-lo como uma gigantesca “operadora de TV” que é a casa de milhões de canais diferentes.

Esses canais têm total autonomia entre si e respondem apenas às diretrizes estabelecidas pelo próprio YouTube, para que a plataforma não se torne um caos completo com materiais de cunho duvidoso.

Logo, você é responsável pelo seu conteúdo, bem como a frequência com que ele precisa ser postado e sobre o que irá tratar.

Então, o primeiro passo que você precisa para estabelecer sua presença no YouTube é criar um canal.

Lá, as pessoas encontrarão os seus vídeos, conteúdos exclusivos (caso deseje), playlists de diferentes vídeos de acordo com a aula/matéria e até mesmo notas de atualização sobre o que você está trabalhando naquela semana.

A própria plataforma te guia de uma maneira bem intuitiva para criar o seu canal, então você não terá problemas quanto a isso, mas devemos salientar que o nome do seu canal é de escolha livre. Assim, você pode criar um nome próprio, interessante e que tenha a ver com o seu curso online ou até mesmo utilizar o seu nome. Fica a seu critério.

Trazendo conteúdo para o YouTube

No marketing digital não há receita de bolo, uma fórmula de uma estratégia que funcionará para toda e qualquer pessoa.

No entanto, o que mais se aproxima disso, é o marketing de conteúdo. Se você acompanha o nosso blog, já deve ter visto que essa estratégia é usada em diferentes canais e momentos.

No YouTube, seguimos a regra. Os seus primeiros vídeos na plataforma podem ser de apresentações sobre quem você é, a visão e intuito do seu canal, e outros detalhes que possam confortar e informar o público. Mas logo em seguida, lembre-se de começar com o conteúdo relevante.

E aqui também podemos utilizar uma espécie de réplica de conteúdo, estratégia que abordamos em artigos anteriores.

Isso significa que você pode pegar um conteúdo que já foi produzido para outro canal, como para sua plataforma de e-learning, por exemplo, e adaptá-la aos moldes do YouTube.

Mas veja bem, o seu curso online certamente será pago, então, não faz sentido disponibilizá-lo no YouTube, onde as pessoas poderão acessá-lo gratuitamente. Pelo menos não na íntegra.

Uma maneira de contornar essa situação é publicar trechos mais curtos e editados que abordem temas interessantes, contenham conteúdo relevante, mas que deixem o restante do material em aberto para que o usuário queira se aprofundar mais e adquirir o seu curso completo.

Além disso, é claro, você pode começar a criar vídeos exclusivos para o YouTube (assim como para outras redes) como uma forma de criar autoridade no assunto e construir uma base de inscritos (os “seguidores” da rede).

Seja persistente

O caminho para se tornar um profissional de destaque, seja no YouTube, em outras redes e até mesmo com o seu próprio curso online é longo e requer trabalho constante.

Por isso, não espere que após uma semana de vídeos postados na plataforma você receba muitas visualizações e tenha vários inscritos.

Toda essa autoridade e relevância se construirão com o tempo.

O que por um lado é muito bom, já que permite que você teste formatos e estratégias diferentes que podem potencializar os seus resultados.

Mas em termos de primeiros passos, você pode começar com algo bem simples:

  • Experimente um vídeo por semana, com duração média de 3 a 5 minutos;
  • Tente abordar conceitos práticos a respeito de um tema relevante, algo como uma dica que possa resolver os problemas das pessoas rapidamente;
  • Se for criar diferentes tipos de conteúdo, não esqueça de separá-los em playlists para que os usuários possam encontrá-los facilmente;
  • Acompanhe os feedbacks através dos comentários e fique atento às visualizações e inscrições, elas podem ser um bom termômetro de qual conteúdo está se saindo melhor;
  • Divulgue seus vídeos do YouTube em suas outras redes sociais, grupos e até mesmo na sua plataforma de e-learning;
  • Com o tempo, você pode experimentar patrocinar os vídeos dentro da própria rede e ainda se tornar um parceiro do YouTube Ads e monetizar seus vídeos na plataforma.

Agora, é hora de dar os primeiros passos e continuar ligado aqui no blog da Sapium para mais dicas que vão ajudar a sua carreira de professor digital!

sapiumblog

Deixe uma resposta