Como estudar mais em menos tempo

Existem algumas técnicas que, comprovadamente, aumentam a eficiência do seu aprendizado e economizam o seu tempo; confira

Estudar é uma tarefa muito difícil. Ainda mais se você tem que conciliá-la com outros afazeres do dia a dia, como trabalhar e cuidar de responsabilidades domésticas. Além disso, existe toda aquela pressão. Quem nunca se perdeu em um mar de pensamentos inseguros enquanto rolava os olhos pelas linhas do que estudava, imaginando que tudo aquilo seria em vão, porque não conseguiria uma nota boa o suficiente para o que desejava?

Pois é. E com a chegada do final do ano, as coisas parecem ficar ainda piores. Os vestibulares e provas eliminatórias de todo o País começam a bater à porta, então, quem estudou muito, quer estudar mais, e quem não estudou tanto se preocupa se vai ter tempo o suficiente.

A boa notícia é que, para os dois casos, é possível absorver ainda mais conhecimento em muito menos tempo.

Isso mesmo, você pode estudar mais em menos tempo.

Pode parecer contraprodutivo, mas os métodos que vamos falar garantem um aprendizado de qualidade. Nada de decoreba ou ler conteúdos com pressa.

São hacks comprovados por diversos alunos e professores de todo mundo e, até mesmo, cientificamente. Então, vamos lá?

Otimize seu tempo

Todos nós temos 24 horas por dia. A diferença está em como as utilizamos. Pare e pense por um momento: quanto tempo do seu dia você está próximo da inércia? Aquele período que você está em standby, aguardando algo, como dentro do ônibus, carro, esperando um elevador, fazendo o lanche da tarde ou lavando a louça. Períodos que você não está estudando ou trabalhando.

Todos nós temos esses momentos. Mesmo que poucos, eles acontecem algumas vezes durante o dia. E é aí que está o pulo do gato. Ao colocar essas ocasiões na ponta do lápis no fim do dia, é possível perceber que alguns preciosos minutos, ou até mesmo horas, poderiam ser otimizados.

“Mas não posso deixar de fazer essas coisas, elas são inevitáveis e fazem parte do meu dia a dia”, você deve estar pensando.

Tudo bem, isso é ótimo. Não queremos que você impeça esses momentos de acontecerem – até porque em alguns casos isso seria impossível. Mas é possível deixá-los mais proveitosos para o seu objetivo principal, que neste momento é otimizar seu dia para estudar mais em menos tempo.

Como?

Muito simples. É bem provável que você tenha um smartphone e até esteja lendo esta matéria em um. Então, utilize-o para extrair o máximo de conteúdo durante o seu tempo.

Quando estiver esperando algo, como o ônibus, ou até mesmo já estiver a caminho do seu destino, utilize seu smartphone para escutar podcasts, videoaulas e ler resumos de textos relevantes para o seu estudo.

Pense bem, ao invés de ficar olhando pela janela ou lavando louça, imaginando quanta coisa você ainda tem que estudar, é possível consumir muito conteúdo bacana diretamente do seu bolso.

Basta colocar os fones de ouvido e pronto. Ou, para os mais hardcores, dá para aproveitar até a hora do banho, deixando o conteúdo rolar pelos alto-falantes. A escolha é sua!

Aposte em impressos

Nem sempre é possível carregar cadernos, apostilas e livros para lá e para cá. Mas eles são uma excelente forma de você fixar mais conteúdo com o mesmo tempo de leitura quando comparado a leitura na tela de um dispositivo. Isso é o que mostra um compilado de estudos em universidades dos EUA e Reino Unido.

Os chamados de “e-book moments” são eventos em que diversas pessoas estudadas mostram um menor grau de recordação do que leram em dispositivos móveis quando comparados a materiais impressos.

Isso parece acontecer porque nosso cérebro tende a associar conteúdos de telas a memórias de curto período, para serem descartadas logo em seguida. Já conteúdos de materiais impressos, devem ser fixados em memórias de longo prazo. Então, quando paramos para pensar na imensa quantidade de conteúdo digital irrelevante que somos bombardeados todos os dias, isso faz bastante sentido.

A boa notícia é que o estudo abordou apenas a leitura digital, não mostrando qualquer relação de impacto de videoaulas e conteúdos digitais de listening.

Sendo assim, se você estuda online e recebe conteúdos periodicamente em forma de e-books, uma boa maneira de otimizar a fixação é escrever um resumo deles para que você possa estudá-los em uma forma impressa sem perder sua portabilidade.

Portanto, se você realmente precisa ler um conteúdo, opte por sua versão impressa. Mas se puder consumi-lo através de videoaulas e otimizar o seu tempo, vá fundo!

Ensine o que aprendeu

Ao se aprender algo de verdade, você é capaz de ensinar o que absorveu para qualquer pessoa, independente de quão complexo seja o assunto. E bancar o professor pode ser ótimo para a fixação do conteúdo estudado e até mesmo para uma compreensão ainda maior do tema.

Quem diz isso é o professor John Dunlosky, do Departamento de Psicologia da Universidade Ken State, nos EUA.

Segundo Dunlosky, fazer os estudantes relacionarem uma nova informação a uma já conhecida pode fazer com que explicações que não estão explícitas no conteúdo sejam elaboradas de forma correta pelos próprios estudantes.

Ele exemplifica: “imagine uma estudante lendo uma passagem introdutória sobre fotossíntese: ‘é um processo no qual a planta converte dióxido de carbono e água em açúcar, que é seu alimento. Este processo libera o oxigênio’. Se a estudante estivesse lendo de forma interrogativa, ela tentaria explicar porque esse fato é verdade. Nesse caso, ela poderia pensar que deve ser verdade porque tudo o que é vivo necessita de algum tipo de alimento, e o açúcar é um tipo de alimento para a planta. Ela pode não ter a explicação exata, mas tentar elaborar o porque um fato pode ser verdadeiro, mesmo quando as explicações não estão explícitas no livro, pode ser benéfico para a compreensão e retenção de conhecimento”.

Portanto, tentar elaborar para si mesmo ou para alguém o porquê aquele conteúdo é verdadeiro, pode ser uma forma de poupar dezenas de releituras, frustrações e tempo de estudo.

Estude dormindo

Você já deve ter ouvido falar sobre isso, de que é possível aprender enquanto dorme. Bom, é verdade. Mas essa técnica não vale para tudo. Existem alguns estudos que mostram que o sono melhora consideravelmente o processo de aprendizagem.

Em todos os casos foi possível comprovar que informações adquiridas previamente, ainda acordado – e depois estimuladas de alguma forma durante o sono, como sons que remetem ao conteúdo estudado –, influenciam positivamente na memorização e compreensão dos indivíduos.

Por exemplo, alguns alemães que estavam estudando holandês foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo estudava o idioma normalmente durante o dia e, à noite, dormia sem influências externas.

O segundo grupo estudou durante o dia e, durante a noite, adormeceu enquanto ouvia palavras em holandês que já haviam sido estudadas mais cedo. Os resultados do experimento mostram que o grupo que dormiu ouvindo as palavras estudadas se saiu muito melhor nos testes de idioma do que o outro que não fez o mesmo.

Mas como dissemos anteriormente, ainda faltam pesquisas que comprovem a eficiência dessa técnica para todo o tipo de aprendizagem. Mas se você quer poupar tempo estudando um idioma, ou tem dificuldade em memorizar o vocabulário, vale a pena testar.

Agora que você já tem algumas dicas de como estudar mais em menos tempo, coloque já em prática para mandar bem nas provas de fim de ano.

E não se esqueça de compartilhar esse conteúdo com seus amigos e deixar um comentário abaixo!

sapiumblog

Deixe uma resposta